sábado, 30 de março de 2013

sexta-feira, 29 de março de 2013

(Tentativa falha de) Pintura reflexiva do dia

Ok, eu realmente estou considerando a ideia de tornar esse assunto semanal, já que postar uma foto todo dia é quase impossível, e se rolasse, seria um saco total.

A imagem de hoje me fez refletir sobre o seguinte pensamento sábio: "Não importa o quanto você queira pintar bem, você não vai conseguir, Anna Terra" e é isso aí.

Eu peguei uma tela que fiz uma "pintura" tenebrosa com quatro cores e alguns quadrados e outras formas geométricas entediantes (e que estava pendurado na cozinha porque minha mãe quis expor aquilo só pelo fato de eu ter feito - fofice pura) e transformei.

Ficou outra tenebrosidade, mas pelo menos você pode dizer "que quadro horrível" (eu espero) e não "olha que legal o seu trabalho da 4ª série".

Perceba que tentei parecer boa e até textura eu fiz.

Sabe Deus (ou a entidade de sua preferência) (ou entidade nenhuma, como adicionou a minha mãe às 23:13) se eu tentarei de novo. 


quarta-feira, 27 de março de 2013

Imagem reflexiva do dia

Cá estou eu, perambulando pelas terras sem dono do tão querido Tumblr (companheiro de férias). Terra sem dono, sem lei, mas com (pelo menos a parte de que conheço) muito amor pra espalhar.

Eis que surge a imagem que não sai da minha cabeça pelo simples fato de que me levou a vários questionamentos.

Não são suas axilas, não é seu problema

Comecei a prestar mais atenção ao feminismo e ao movimento LGBT há aproximadamente dois anos e até hoje as perguntas que essa imagem me trouxe são as mesmas de 2010, 2011. Acho, inclusive, que essas perguntas são as que impulsionam todo o ativismo (de sofá ou não). E nem sei se elas vão ser respondidas um dia.

A imagem se refere a axilas (sovaco, subaca, ou seja lá o apelidinho que você prefira), mas fala sobre tudo. Isso. Tudo. Por que tem sempre um chato pra notar se a gente tá com as axilas depiladas? Por que, se eu for um cara, sou socialmente obrigado (na teoria sempre né) a ter uma floresta embaixo do braço?

Por que tem sempre alguém que acha que pode mandar no que a gente faz ou deixa de fazer com o nosso corpo e com a nossa mente? Minhas axilas e o resto do meu corpo são parte de mim. Eu decido o que fazer com o meu corpo, você pode se retirar e cuidar do SEU, que é o que você deveria fazer?

Quaisquer outras dúvidas, eu continuo postando. E vocês comentando, se possível.

Colégio

Em que passo andam a saudade e a nostalgia?
Existe saudade sem ser nostálgica?
Existe nostalgia sem saudade?
A nostalgia vem antes da saudade ou a saudade vem antes da nostalgia?
Esse bando de perguntas me faz saudosa ou simplesmente nostálgica?

domingo, 24 de março de 2013

Só quero dizer que

descobri que gosto de ser quem eu sou
descobrindo que não gostava de ser o que eu era

(basta descobrir como gostar de quem eu vou ser)




Ao anônimo do blog da Carol, obrigada pelo incentivo. Aos poucos voltarei.